quinta-feira, 13 de outubro de 2016

O MONTE



Um dia você estará no monte. Onde tudo é lindo e  maravilhoso. Lá você conseguirá ver por onde passou e então glorificará o seu Deus por tê-lo amparado todos os dias. No monte a visão é diferente, ampla, você olha e diz: verdadeiramente Deus esteve comigo e não me desamparou. O meu DEUS é fiel. ALELUIA.

Ê X O D O 19: 3-6.

3 E subiu Moisés a Deus, e o SENHOR o chamou do monte, dizendo: Assim falarás à casa de Jacó, e anunciarás aos filhos de Israel:
4 Vós tendes visto o que fiz aos egípcios, como vos levei sobre asas de águias, e vos trouxe a mim;
5 Agora, pois, se diligentemente ouvirdes a minha voz e guardardes a minha aliança, então sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos, porque toda a terra é minha.
6 E vós me sereis um reino sacerdotal e o povo santo. Estas são as palavras que falarás aos filhos de Israel.

     
  Moisés sobe ao monte para falar com Deus, e o Senhor lhe instrui quanto a mensagem que deva falar ao povo de Israel. Deus chama a memória do povo de Israel quanto sua situação do passado, e o poder de Deus de livrar seu povo da escravidão do Egito.
     O Senhor os ensina a guardarem Seus mandamentos, e que o próprio Deus os separará para serem povo santo.
     Este fato aconteceu a mais ou menos 3.400 anos atrás, e Deus o deixou registrado na Bíblia para nós meditarmos sobre este texto.
     Em primeiro lugar Deus se apresenta a Moisés em um monte, em segundo lugar Moisés se encontra sozinho, e em terceiro lugar Moisés enfrentou dificuldades em subir ao monte.
1º) Deus se apresenta no monte para se revelar aos seus servos.
     Deus pode falar aos seus filhos em qualquer lugar, no monte, no vale, no trabalho, em casa, a noite, de dia, acordado ou dormindo, porém tem momentos especiais que o Senhor procura lugares especiais para se revelar. O monte tem um significado: estamos mais pertos dos céus, dos lugares altos das regiões celestes. A Bíblia nos ensina que o monte é um lugar de bênçãos, um lugar de edificar altares ao Senhor, lugar de sacrifícios, lugar de segredos e mistérios particular de Deus e seu servo. Espiritualmente falando Deus quer nos levar as alturas, quer que cresçamos espiritualmente, quer que cheguemos a estatura de Cristo, quer nos fazer voar como águias. Somente quando chegamos a uma altura espiritual madura poderemos ter revelações de Deus.
2º) Moisés se encontra sozinho para se encontrar com Deus.
     Moisés ao subir no monte é instruído por Deus em vir sozinho. Qual a razão que Moisés fica sozinho com Deus? Devido os seus companheiros não estarem preparados para receber a Glória de Deus, devido a falta de santidade, de amor, de fidelidade, de intimidade e comunhão de seus amigos. Também é sozinho que se pode abrir o coração e rasga-lo diante do Senhor. É sozinho que você se despe e tira as sandálias dos pés, é sozinho que você tira a mascara da religiosidade, do legalismo; é sozinho que você não precisa ensaiar o que dizer ao Senhor, seja palavras bonitas ou difíceis, pois no silêncio do monte o que diz mais alto é o coração. Quantas vezes os púlpitos estão recheados de jargão evangélico, palavras que na realidade não expressam a verdade do coração, da alma e do espírito. Deus quer que quando formos orar, como Jesus nos ensinou, fechamos a porta do quarto e em secreto rasgamos o nosso coração perante Ele, e falamos tudo que nos incomoda, nos atrapalha, nos preocupa, confessamos nosso pecado, enfim tudo aquilo que somente sozinhos teremos a sinceridade de fazer.
3º) Moisés enfrentou dificuldades em subir o monte.
     No texto bíblico pode parecer que não houve dificuldades em subir o monte, mas se formos analisar a idade de Moisés, o tempo de subida ao monte, o tempo que esteve no monte, o tempo de jejum de 40 dias, o tempo que ficou antes de subir ao monte (o deserto, as afrontas, as guerras, a revolta do povo); então veremos o quanto foi difícil subir ao monte. Da mesma forma devemos saber que para subir ao monte, para estar com Deus existe dificuldades. As dificuldades são inúmeras, encontraremos pedra no caminho, espinhos, ficaremos cansados, pensaremos em desistir, estaremos no deserto, mas temos que ser perseverantes e saber que Deus nos dará asas como águia para chegarmos no nosso destino. Quantos são os que estão no deserto, porém é o deserto que antecede a subida ao monte (veja verso 2 do capítulo 19 de Êxodo), após a etapa do deserto é o momento de subir ao monte. Satanás fará o possível para não deixar você subir ao monte de Deus, usará de todas as armas para lhe parar, porá obstáculos na subida, o caminhar poderá ficar até mais pesado e difícil, mas do alto do monte o Senhor estará lhe observando e pronto para vir ao seu socorro, quando você se sentir em apuros é hora de levantar os olhos para o monte, é de lá que virá o seu socorro (Salmo 121). 
     Suba o monte. Deus quer falar com você, Deus quer se revelar a você, Deus quer que você tome posse de seu lugar nas regiões celestes.
     Suba o monte. Deus quer que você se santifique mais, que você tire as sandálias dos pés e a mascara do rosto, Deus quer que você o busque mais vezes sozinho.
     Suba o monte. Mesmo com dificuldades, mesmo com lutas, mesmo ferido e abatido, pois Ele lhe diz: 
"Eu Sou o Senhor teu Deus, que te toma pela tua mão direita e te digo: Não temas, Eu te ajudo".
(Isaías 41:13).

OS SETE VALES ONDE DEUS RESTAURA O CRENTE

Texto Is. 40.4

Introdução

A Palestina é um território de grandes montes e vales, por isso encontramos muitas povoações com o nome de vale ou de serra. Geralmente quando se menciona um vale o nome está se referindo a um “desfiladeiro”. É uma depressão entre montes, uma área de baixa altitude, geralmente banhada por um rio, e cercada por áreas mais altas como montanhas e colinas. O vale no sentido espiritual simboliza um lugar sombrio, um lugar de dores, de experiências dolorosas, lugar de lágrimas, lugar de experiência com Deus. O início de muitas histórias começou nos vales.

Quando Deus tem propósitos na vida do crente, é lá que nos encontramos com Ele!. O vale é um lugar de preparação!. Deus não nos leva para o vale para sofrermos, mas para nos moldar e nos provar. É no vale que iremos crescer e nos aperfeiçoar para fazermos melhor a obra do Senhor!.

Os vales são inevitáveis na nossa vida espiritual, mais cedo ou mais tarde, alguns vales aparecerão para nos desafiar. Não dá para fugir, a melhor coisa a fazer é enfrentá-los!. Os nossos vales é para que Deus seja glorificado através da nossa vida. Vale também que os vales podem ser: Lugar de Benção (II Co.20.26), Lugar de Restauração (Ez.37.1-14), Lugar de Exaltação (Is.40.4), Lugar de Manifestação da Glória de Deus (Ez.3.23).

O PRIMEIRO VALE – O VALE DE SIDIM (Gn.14.1-3 – 10.16)

Simboliza o Vale da Grande Perda. Foi nesse vale que ocorreu a primeira guerra mencionada na bíblia. Uma guerra de quatro reis contra cinco. Nesse vale a batalha foi travada à noite, e os quatro reis venceram os cinco. Ló, sobrinho de Abraão que morava em Sodoma, é levado cativo. Um dos fugitivos correu para levar a noticia a Abraão, informando que seu sobrinho Ló, tinha sido aprisionado. Sodoma e Gomorra tinham sido saqueadas. Tudo que eles tinham de valor foram levado!. Pessoas também foram levadas!.

Ló perdeu tudo de uma hora para outra!. Ele que fora tão astuto, agora não passava de um escravo!. Mas, para quem é valente do Senhor, se levantará na unção da conquista e pelejará contra os inimigos e trará tudo o que perdeu de volta!. Abraão preparou um pequeno exército composto de dois amorreus, seus vizinhos, e de 318 homens valentes. Após um preparo estratégico à noite, o corajoso exército de Abraão derrotaram os inimigos.

Pondo-os em fuga, resgatou seu sobrinho Ló, seus pertences, assim como as mulheres e os homens. Abraão resgatou Ló das consequências de seu próprio pecado!. Salvar Ló foi a única razão do resgate ousado de Abraão. Em vez de paz e prosperidade ele encontrou vergonha e escravidão!.

Amados, Deus também sabe da nossa teimosia. Mesmo assim, o Senhor não poupará esforços para nos resgatar da escravidão do pecado, e nos livrar do nosso cativeiro!. O Senhor é Deus dos Vales (IRs.20.28)!

O SEGUNDO VALE – O VALE DE GERAR (Gn.26.1-2)

Simboliza o Vale das Afrontas. Isaac pensou em se refugiar no Egito, mas Deus lhe disse para não ir para o Egito. Nas horas de dificuldades, em quem costumamos nos refugiar?. Como é difícil depender de Deus nessas horas!. Nessa situação difícil, Deus faz promessas a Isaac ( v.3-5). E ele ficou em no vale de Gerar. (v6). Isaac começou a trabalhar. Foi à luta (Gn.26.12)!. Não ficou acomodado esperando que os outros trouxessem um pedaço de pão!. E sabe o que aconteceu?. Deus colocou no caminho de Isaac os degraus da prosperidade (v.13-14).

Naquele vale, começaram a surgir inimigos invejosos, que tentaram de tudo para impedir o progresso de Isaac (v. 15-21). Esses inimigos entulharam os poços para impedir que Isaac progredisse!. Será que com você não está acontecendo o mesmo?. Quando as coisas começam a dar certo, seus inimigos não começam a se levantar?. Os invejosos não começam a se revoltarem?. No mínimo, começam a por defeitos no seu trabalho!.

Seus inimigos farão de tudo para que você perca sua bênção!. Quantos irmãos já até desistiram por causa das afrontas do inimigo?. Quantos já não se frustraram, só porque apareceram alguns impedimentos?. Não desista se tentarem matar teus sonhos!.

Amado, se o inimigo fechou uma porta em sua vida, saiba que o céu está aberto a seu favor!. Deus está dizendo: recomece novamente! Estou contigo! Você é capaz! Você vai vencer!. Veja isso: Isaac não desanimou!. Perseverou, cavou outros poços e quanto mais os inimigos entulhavam, mais ele abria poços!. Foi aí que ele chegou até Reobote, que quer dizer “espaços largos” (v.22). Vitória final!.

Amados, Deus tem espaços largos na tua vida espiritual, profissional, material e financeira!. Casa nova!. Família restaurada!. Casamento restaurado!. Tudo novo, vida nova!. Deus vai tirar você do estreito, desse vale de precariedade financeira. No livro de Isaias você irá encontrar uma promessa feita na medida para você, então leia: “Amplia o lugar da tua tenda, e as cortinas das tuas habitações se estendam; não o impeças; alonga as tuas cordas e firma bem as tuas estacas” (Is.54.2). O nosso Deus é Deus de Vitória (Sl. 44.7)!.

O TERCEIRO VALE – O VALE DE BACA (Sl. 84.4-6)

Simboliza o “Vale das Lágrimas”. É o trecho mais difícil da estrada!. O vale do lamento! O vale tinha o nome de “Baca”, porque essa palavra hebraica significa: lágrima e choro!. A nossa passagem pela vida nos faz chegar a esse vale. A Palavra de Deus nos mostra que por muitas vezes no nosso caminhar, nem tudo serão rosas, nem tudo serão “planícies”. Isso quer dizer que na vida de todos nós, existem vales profundos, vales secos, desertos e vale de lágrimas!.

Quantos não tem chorado desesperadamente, porque precisam de soluções, de respostas, de curas. Precisam ver sua família restaurada!. Deus quer nos tirar desse vale. Mas o que podemos fazer?. Para quem está passando por essa terrível experiência, só tem uma saída: É ter Deus como fonte de nossa força!.

Só vence o Vale de Lágrimas aquele que faz de Deus a sua Fonte, a sua Usina de vitalidade. Só venceremos o vale de Baca, quando entrarmos nele afirmando de onde vem a nossa força. A nossa força não vem do pensamento positivo, não vem do dinheiro, não vem do nosso líder, não vem da família. A nossa força vem do Senhor!. É PRECISO VIVER A LIÇÃO DA GRAÇA. O que significa isto?. Significa que mesmo que o seu vale esteja cheio de lágrimas, de tristezas, de decepção, de dores, Deus enviará a graça do tamanho da sua dor; ela ganhará a dimensão do seu sofrimento!.

Esta é a lição da graça: quanto maior a dor, maior a quantidade da Graça enviada por Deus em nossa vida!. E no vale de Baca, Deus vem com poder e Graça nos consolando e dizendo: “Assim diz o Senhor: “Reprime a tua voz do choro, e das lágrimas os teus olhos; porque há galardão para o teu trabalho, diz o Senhor, e eles voltarão da terra do inimigo. E há esperança para o teu futuro, diz o Senhor; pois teus filhos voltarão para os seus termos” (Jr 31.16-17). Deus é Fiel (Is.49.15)!.

O QUARTO VALE – O VALE DE HEBROM (Gn.37.14)

Simboliza o Vale da Traição e da Escravidão. Foi onde Abraão fixou sua família (Gn.35.27). É o mesmo local onde Sara foi sepultada (Gn.23.19), e séculos depois essas terras foram herdadas por Calebe. A bíblia narra um lindo episódio ocorrido nessas terras. A história de José!. Tudo começou quando José obedeceu seu pai e foi a procura de seus irmãos. No verso 18-19, a bíblia diz que seus irmãos planejaram a morte dele, porque o odiavam, porque ele era um sonhador. Seus próprios irmãos o estavam traindo!.

Quantos familiares seus não lutaram para matarem seus sonhos?. Quem sabe, pessoas de sua família se reuniram contra você por causa de seu casamento!. Se revoltaram contra sua decisão de ter aceitado a Jesus!. Os irmãos de José criaram um plano para apagar a sua memória da sua família, ao imergirem sua túnica no sangue de um cabrito e mandaram levar a seu pai dizendo que ele fora morto; por uma fera!.

Quantos aqui já foram esquecidos pela sua família? Rejeitados, esquecidos como se já estivessem mortos?. Mas quando o inimigo pensa que nos derrotou no vale, Deus tem seus planos infalíveis para por em ação. O escravo José, esquecido pelos irmãos, e pela família, foi conduzido ao Egito para cumprir o plano de Deus. Deus tem um plano vitorioso para essa situação que você está vivendo!. Para muitos será seu fim! Mas para Deus, é o começo de uma grande prosperidade e vitória (Jr. 29.11).

De simples escravo, José se tornou Governador do Egito!. E havendo uma grande fome na terra, seus irmãos se prostraram diante dele em busca de ajuda no Egito. Amado, se tua família esqueceu e te abandonou no vale, eles que se preparem; pois irão ver teu progresso e tua prosperidade!. E você ainda os ajudará, porque em seu coração não há lugar para o ódio, para a mágoa, mas para o amor e o perdão!. Creia nisso!.

O QUINTO VALE - O VALE DE ACOR (Os.2.15)

Significa o Vale da Esperança!. Esse vale separava a tribo de Benjamin e Judá. A bíblia se refere a este vale por três vezes. A primeira foi onde ocorreu o apedrejamento de Acã e sua família (Js.7.24-26). A segunda vez, a bíblia nos apresenta como um lugar de repouso e refúgio para o gado. Símbolos das providências divina da paz e da fartura! (Is.65.9-10). A terceira vez nos fala do cumprimento da profecia de Oséias, que dizia que o profeta receberia sua esposa Gomer de volta para viver uma nova vida com muita paz (Os.2.14-16).

O vale de Acor nos recorda Três importantes mensagens: Primeiro - o pecado, a desobediência e o castigo daqueles que não deram ouvidos às ordens de Deus.

Segundo - fala da perpétua vigilância e cuidado de Deus sobre seus filhos!.

Terceiro - a bem aventurança para o pecador que, por mais fundo que tenha ido, sempre encontrará uma “Porta de Esperança” aberta para ele, quando se arrepende!.

O vale de Acor já fez parte de muitas vidas cristãs!. E creio que essas vidas, um dia, tiveram uma forte e inesquecível experiência com Deus!. Por esse vale, todos passam pelos três aspectos para chegar a “Porta da Esperança”.
Primeiro: pelo castigo!.
Segundo: pelo “Perdão e as Benções”!.
Terceiro: pela conversão!. O nosso Deus é Infalível (Jó 42.2)!.

O SEXTO VALE – O VALE DE OSSOS SECOS (Ez.37.1-14).

Significa o Vale da Restauração!. A visão do profeta foi fantástica!. Ezequiel se encontrava no meio de um cemitério ao ar livre!. Um vale cheio de esqueletos, com ossos sequíssimos!. Havia muito tempo que aqueles ossos estavam jogados ali. Interessante que eles não estavam enterrados!. Sabe por que?. Porque quando Deus olha para nós, e nos vê secos espiritualmente, o Senhor não nos descarta!. Ele não nos vê como mortos!. Para o Senhor, nós ainda não estamos enterrados!. Ele sabe a nossa identidade!. Ele quer nos falar individualmente. Não importa a nossa condição!.

Essa passagem nos mostra o povo israelita morto espiritualmente. E quando foi que Israel se tornou espiritualmente morto?. Quando eles se desviaram de Deus, dos caminhos do entendimento, do conhecimento, e se inclinaram para servirem outros deuses!. Observe que Ezequiel profetizou para aqueles ossos secos, eles se encheram de carnes e de nervos, mas continuaram mortos!.

É assim que acontece nas nossas igrejas!. O pastor prega, profetiza, há um reboliço, mas quando chega lá fora vemos o crente com o mesmo rosto cansado, triste, desencorajado, sem perspectiva, sem esperança!. Nesse caso, quando Deus olha para eles, vê um monte de ossos andando e entrando apressadamente nos seus carros!.

O profeta Ezequiel profetizou e nada aconteceu!. Mas agora é a voz do Senhor que será ouvida nesse vale!. O Senhor vem para livrar você da condenação!. O Senhor está descendo nesse vale para por os tendões, a carne, juntar seus ossos, restaurar a tua visão, livrá-lo da morte espiritual, dar uma nova vida!. Uma nova vida significa andar conforme a vontade de Deus!. Reconheça que sem Deus a sua vida não passa de um monte de ossos secos!. Volte a viver em Cristo!.

O SÉTIMO VALE – O VALE DA VISÃO (Is. 22.1)

Significa Habitação da Paz (Jerusalém)!. Essa passagem mostra uma assombrosa visão que Isaias teve de seus governantes egoístas fugindo de Jerusalém e abandonando-a para ser saqueada (v.1-4). Jerusalém iria ser capturada pela Babilônia, já que o povo havia se esquecido do Senhor. Isaias havia condenado o comportamento da cidade que gostava de festejo, em vez de se arrependimento (v.12.13).

As pessoas achavam que podiam ser salvas por meio de alianças com os povos ao redor, construindo muros cada vez mais altos e sistemas de defesa cada vez mais sofisticados. A cidade havia sido livrada do ataque da Assíria no tempo de Ezequias, mas Isaias chora porque sabia que haveria outro julgamento severo de Deus chegando para aquele povo.

Amados, é triste dizer, mas muitas vezes somos como o povo de Jerusalém!. Gostamos de nos apoiar em nossas habilidades, em nossas arrogâncias, fechamos nossos ouvidos ou fingimos que somos cegos quando Deus começa a falar conosco nos cultos!. Jerusalém havia recebido mensagens após mensagens de Deus, contudo, não se importou com elas!.

O Vale da Visão – Este nome refere-se ao Vale junto a Jerusalém, onde Deus revelou-se a Isaias em visões proféticas. O profeta Isaias era o único que sabia da calamidade que viria sobre Jerusalém. Quando o povo de Deus aparta-se da obediência dos retos caminhos do Senhor, Ele nos chama ao arrependimento, à confissão da nossa pobreza espiritual, e a buscar mais a Sua face!. A vontade de Cristo é que cada igreja examine o seu estado espiritual à luz dos evangelhos. Jesus conclama o povo ao arrependimento, à humilhação, às lágrimas, à oração e ao jejum, e não à superficialidade!. O Senhor é o nosso Deus Verdadeiro (Dt.32.4)!.

Conclusão

Quando passamos pelos vales, podemos até sentir dor, mas teremos uma experiência inesquecível com o Senhor!. A melhor coisa que devemos fazer quando estivermos no Vale é: Confiar no Senhor (Sl.20.7-8), Esperar no Senhor (Os.2.15), Descansar no Senhor (Is.65.10), Glorificar o nome do Senhor (Sl.103.1-5). O Senhor nos diz hoje: Não temas, nem te assombres pois o Senhor é poderoso para abrir fontes no meio dos vales e te saciar de alegria (Is.4.10). Aleluia!.

Que o Senhor te abençoe grandemente nos vales e te exalte nos montes!. Em nome de Jesus.
Amém.
webservos

O DESERTO

Andando no Deserto



Ao falarmos de deserto vem a nossa mente a imagem de dunas de areia, sol extremamente forte e escaldante, falta de água e ninguém por perto. Deserto é associado à solidão. E há momentos em nossa vida que nos sentimos sós, mesmo com pessoas ao nosso lado, parece que ninguém realmente percebe a gravidade do que estamos passando ou não compreende nossas emoções. No deserto parece que Deus não age, não nos responde, parece mesmo que Ele fica distante de nós.
Porém o deserto é necessário em nossas vidas, por isso ele existe, e às vezes temos de passar por desertos em diferentes fases de nossas vidas. Espiritualmente falando, aqueles que não têm a Cristo vivem  em desertos, pois em suas almas não há a água da Vida, estão sós, pois não possuem o Espírito de Deus neles. Para estes também há esperança, pois Deus levanta homens para pregar o evangelho do arrependimento nos desertos, como foi com João Batista. Mas, mesmo após conhecermos a Cristo, temos de passar pelo deserto em alguns momentos.
Recebemos nosso chamado no deserto.
Moisés estava com o rebanho de seu sogro no deserto, quando  ao ir um pouco pra traz onde havia o monte de Deus, o Senhor falou com ele através de uma sarça flamejante, lhe conferiu uma missão, a de salvar todo o povo de Israel, os libertando e os conduzindo para a terra prometida a seus pais. (Êxodo 3 e 4).
Algumas vezes após recebermos ao Senhor Jesus como nosso Senhor e Salvador, ficamos apenas como expectadores, apenas assistimos aos outros fazerem a obra, assistimos aos cultos, porém nós mesmos não sabemos qual é o nosso chamado, o que devemos fazer ou para onde devemos ir. Nestes momentos nossa vida espiritual parece um deserto, precisamos que os outros orem por nós, pois não confiamos em nossas orações, como se em nós não houvesse da água da vida. Mas, o que nos falta para sairmos deste deserto espiritual é entendermos o que o Senhor espera de nós, qual o nosso chamado. Para isto observe-se melhor, com certeza Deus lhe concedeu um talento, talvez o desejo de fazer algo, por exemplo: visitar enfermos nos hospitais, mas você acha que isso vem de você então não busca realizar, tem medo de não saber como fazer ou o que dizer, mas se é o Senhor quem irá te usar, não se preocupe com isto, Moisés também teve este mesmo medo e veja o que o Senhor lhe respondeu:
“Vai, pois, agora, e eu serei com a tua boca e te ensinarei o que hás de falar.” Êxodo 4:12
Preste atenção nos teus desejos e dons e siga a frente, coloque-os em prática confiando que é o Senhor quem te ensinará.
No deserto somos tentados.
Jesus, nosso mestre a quem devemos imitar em tudo, pois Ele veio para ser o exemplo e viveu coisas as quais, como Deus não precisaria viver, porém as viveu para nos dar o exemplo, como o batismo. Ele não precisava se batizar, pois o batismo é a confissão que morremos para uma vida de pecado e nascemos para uma vida com Deus, Jesus nunca pecou e, portanto, não precisaria disto.
Logo após seu batismo Jesus foi levado, pelo Espírito, ao deserto, para ali ser tentado. Jesus poderia ser tentado em qualquer lugar, porque no deserto?
 
 
Deus escolheu o deserto, justamente por aquelas características que descrevo acima, é um local quente, solitário, um lugar onde parece que Deus não está. Era necessário ter estas condições, para que a tentação viesse  em meio a uma situação adversa. Afinal ser fiel a Deus quando tudo está bem, quando estamos em um manancial, cercados por amigos e felizes, é fácil, mas no deserto nos tornamos mais frágeis, e é em nossa fragilidade que o nosso “ser secreto” é exposto, aquilo que você tem no fundo da tua alma, vem a tona. E se amares ao Senhor teu Deus, de todo o teu coração e toda a tua alma todas as promessas de Deuteronômio 30 se cumprirão em sua vida. E a prova deste amor é sendo fiel, em meio às tentações no deserto, quando Deus parece distante.
Jesus jejuou e orou no deserto e foi tentado em suas fraquezas humanas, pois não há tentação senão humana (1 Cor.10:13). O inimigo também tentou enganar ao Senhor usando a Palavra de Deus de forma a seduzir Jesus ao erro, porém nosso Mestre, conhecedor da Palavra, se esquivou de todas estas tentações usando a própria Palavra, afinal Ele é a Palavra de Deus, o Verbo que se fez carne (Jo. 1:1). Encontramos esta passagem em Mateus 4:1-11. Porém, este deve ser nosso modelo, sermos retentores do conhecimento da Palavra de Deus, para não cairmos no erro, nem em tentações disfarçadas de benção.
O deserto pode ser teu esconderijo
“E Davi permaneceu no deserto, nos lugares fortes, e ficou em um monte no deserto de Zife; e Saul o buscava todos os dias, porém Deus não o entregou na sua mão.” 1 Samuel 23:14
Quando passamos pelo deserto ganhamos uma proteção a mais, porém não percebemos isto. Davi estava temeroso quando estava no deserto e clamava ao Senhor, sentindo grande aflição ele clamava ao Senhor.Lemos seu clamor no salmo 142. Mas, ao contrário do povo de Israel que ficou 40 anos no deserto por não entender a lição, Davi compreendeu por isso o título do salmo é Masquil de Davi. Masquil é um dos termos técnicos do livro de salmos para designar uma composição poética para ensinar uma lição.  O deserto nos faz, muitas vezes, sentirmos depressão, grande aflição como Davi, mas o que muda o tempo de permanência ali é aprendermos a lição, vencermos a tentação, ouvirmos o chamado do Senhor e nos posicionarmos corretamente.
 
 
Temos de nos lembrar das promessas do Senhor, mesmo em meio a um deserto.
“Converte o deserto em lagoa, e a terra seca em fontes.” Salmos 107:35
“Os aflitos e necessitados buscam águas, e não há, e a sua língua se seca de sede; eu o SENHOR os ouvirei, eu, o Deus de Israel não os desampararei. Abrirei rios em lugares altos, e fontes no meio dos vales; tornarei o deserto em lagos de águas, e a terra seca em mananciais de água. Plantarei no deserto o cedro, a acácia, e a murta, e a oliveira; porei no ermo juntamente a faia, o pinheiro e o álamo. Para que todos vejam, e saibam, e considerem, e juntamente entendam que a mão do SENHOR fez isto, e o Santo de Israel o criou.“ Isaías 41:17-20
Seja qual for a situação a qual esteja passando, ainda que pareça que a presença do Senhor se enfraqueceu em tua vida, Ele está contigo, fazendo sombra para o sol não te queimar e sendo uma coluna de fogo a noite para não congelar. Ele prometeu estar contigo seja para passar sobre as águas ou pelo fogo, e fiel é o Senhor para cumprir todas as tuas promessas.
Melhore-se


Maquiagem no transporte público

Hoje quero falar sobre uma situação muito corriqueira que vem acontecendo no transporte público: a maquiagem. É proibido fazer maquiagem no...